quinta-feira, 21 de julho de 2011

Projeto Escrito no XII concurso - ARTE NA ESCOLA - 2011

DESVENDANDO A ARTE MODERNA
Projeto de Pesquisa, Estudo e Produção em Artes Plásticas Sobre as Vanguardas Artísticas Européia


INTRODUÇÃO:
No ensino fundamental quando estudamos a arte renascentista, o barroco e a arte neoclássica, percebo, enquanto professor uma identificação imediata dos alunos com as imagens produzidas nesses períodos específicos. Esse fato, em nossa opinião, esta relacionado ao caráter figurativo e realista das imagens. A busca da perfeita representação da realidade ou de metáforas e alegorias que retratavam a natureza, os objetos e as pessoas com extremo grau de realismo e perfeição. É bastante analisarmos as obras de Da Vinci, Rafael, Michelangelo, Rubens, Rembrandt, Ingres, Davi, entre outros para constatarmos esse fato. Mesmo as obras dos artistas Românticos e Realistas ainda mantêm como característica forte busca de perfeição na representação da realidade em suas cenas. Entretanto, quando adentramos no universo da arte moderna percebo um total estranhamento por parte dos alunos com as imagens produzidas pelos artistas modernos e seus respectivos movimentos de vanguarda da arte européia. A comprovação desse fato, no meu dia-a-dia em sala de aula, foi a motivação para o planejamento e execução desse projeto.
Este projeto procurou pesquisar, estudar e produzir trabalhos artísticos relacionados aos movimentos de vanguarda da arte que aconteceram na Europa a partir da segunda metade do século XIX. Nosso objetivo foi esclarecer as transformações ocorridas na produção dos artistas europeus que culminaram na afirmação de novos valores estéticos e na posterior aceitação, por parte da crítica e do público, de uma arte que expressava a realidade da modernidade e não mais se relacionava com as afirmações da Academia. Nossa estratégia para conseguir a realização de nossos objetivos foi pensada e planejada a partir de duas linhas de trabalho: uma de pesquisas e estudos teóricos sobre os movimentos de vanguarda da arte na Europa e os artistas representantes desses movimentos e outra de atividades práticas no campo da produção em artes plásticas onde desenvolvemos atividades de desenho e pintura, releituras de obras de arte do modernismo brasileiro e pintura em tela com temática relacionada ao estilo artístico surgido em1924, o Surrealismo.
• A primeira etapa contou com encontros voltados para a pesquisa, leituras e análises de textos, reproduções e vídeos sobre a arte moderna.
• A segunda voltada para a realização de atividades práticas de desenhos, colagens e pinturas em tela com tinta acrílica.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
As Vanguardas da Arte na Europa
• Impressionismo;
• Expressionismo;
• Cubismo;
• Futurismo;
• Abstracionismo;
• Dadaísmo;
• Modernismo brasileiro;
• Surrealismo;
• Pop arte


DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
Iniciei buscando adaptar o projeto a proposta triangular do ensino de arte como recomenda os PCN’s. Para tanto elaborei e planejei atividades que envolvessem o fazer arte do aluno, nossa reflexão sobre essa produção e a contextualização das obras que analisaríamos no decorrer do projeto para o entendimento do fenômeno artístico moderno. Minha expectativa era fazer com que meus alunos, ao adentrarem no universo mágico das transformações por que passaram as artes plásticas na Europa a partir da segunda metade do século XIX, com seus movimentos artísticos, seus artistas revolucionários e suas propostas que romperam com os padrões artísticos estabelecidos, pudessem, não somente, compreender o fato histórico de libertação da arte e dos artistas das amarras da Academia, mas que, compreendendo o fato aceitassem e inserissem essa nova estética nos seus trabalhos em artes visuais, nas suas escolhas e gostos estéticos, na sua vida cotidiana.
Começamos contextualizando a segunda metade do século XIX na Europa e no mundo. Apontamos a importância da chamada “segunda fase do processo de industrialização”, o crescimento da tecnologia industrial, os grandes avanços que ocorreram no campo científico e o surgimento e desenvolvimento do Romantismo e do Realismo, nas artes plásticas. Após essa etapa, dividimos as turmas em grupos e cada grupo ficou responsável por pesquisar, elaborar e apresentar seminários sobre os principais movimentos de vanguarda da arte européia. Os movimentos selecionados foram; Impressionismo, Expressionismo, Cubismo, Futurismo, Abstracionismo, Dadaísmo, Modernismo brasileiro, Surrealismo e a Arte Pop.
As apresentações dos seminários foram acompanhadas de diálogos e troca de impressões e opiniões sobre as obras e os artistas apresentados. Cartazes e livros com reproduções, reproduções da coleção “Grandes Obras” da revista Caras, filmes e vídeos baixados do You Tube, foram utilizados nas apresentações pelos alunos ou por esse professor para um maior entendimento do movimento estudado.
A parte prática do nosso projeto foi dividida em 03 atividades específicas, mas que se complementaram: A primeira composta por atividades de desenhos de observação realizados com grafite, pintura monocromática realizada com tinta nanquim e pintura em policromia realizada com tinta guache; A segunda, de releitura de obras de arte do modernismo brasileiro, realizadas com técnicas de colagem a partir de revistas velhas e a terceira de pintura em tela com temática livre, mas inspiradas nas características do movimento surrealista.
Para a primeira atividade os objetos escolhidos como modelo foram vasos de cerâmica de diversos tamanhos e modelos que temos em sala de aula. Nosso objetivo era construir, no papel, representações com o máximo de realismo possível. Quando aplicamos as técnicas de luz e sombra, esfumaçado, proporcionando a ilusão de solidez e volume, muitos alunos se surpreenderam. O resultado final foi uma série de trabalhos monocromáticos com lápis grafite.
Após essa etapa, iniciamos a segunda parte de nossa 1ª atividade. Nessa etapa, realizamos a pintura monocromática com tinta nanquim. Quatro cores foram selecionadas (azul, amarelo, vermelho e verde). Transferimos o mesmo desenho produzido anteriormente com grafite para outro papel, somente o contorno, e realizamos uma pintura em monocrômia aplicando, agora com uma cor escolhida pelo aluno, as mesmas técnicas de luz e sombra sobre os objetos. O objetivo foi fazer os alunos perceberem que ao aplicarem as técnicas de luz e sombra e as técnicas de perspectiva as obras bidimensionais, desenhos e pinturas, ganham um grau de realismo nas suas representações. Essa percepção é de extrema importância para a compreensão da arte moderna a partir do surgimento do cubismo e seu rompimento total com a perspectiva científica e o claro-escuro da academia. O uso arbitrário da cor já acontecia em obras produzidas anteriormente pelos impressionistas e expressionistas, mas o cubismo mexeu na estrutura da obra e aproximou os planos do fundo das obras às figuras principais, que estavam em primeiro plano, além de chapar a cor.
A terceira parte de nossa 1ª atividade foi a pintura em policromia com tinta guache. Mais uma vez transferimos o mesmo desenho dos vasos de cerâmica utilizado nas atividades anteriores para outra folha de papel. Com total liberdade os alunos escolheram as cores e a concepção para a construção de seus trabalhos. O resultado foi uma série de pinturas coloridas e bastante expressivas.
Essa seqüência de 03 atividades buscou proporcionar aos nossos alunos a possibilidade de, produzindo trabalhos em arte, desenhos e pinturas, entender o desenvolvimento histórico da arte através de seus processos de criação. Os 03 trabalhos produzidos, desenho a grafite, monocromia com nanquim e policromia com guache, mesmo apresentando o mesmo objeto repetido nas 03 obras, são completamente diferentes em sua concepção final.

Passamos em seguida para a segunda atividade de nosso planejamento, a releitura de obras de arte do modernismo brasileiro. Após a apresentação do seminário sobre a arte moderna no Brasil e analise das obras de seus principais artistas, escolhemos 04 artistas e, com a turma dividida em grupo, realizamos releituras de uma obra de cada artista. Os artistas selecionados foram: Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Candido Portinari e o lituano, Lasar Segall. Cada grupo realizou pesquisa iconográfica sobre o artista selecionado e escolheram as obras que seriam utilizadas como modelo. ( Anita Malfatti, a boba. Tarsila do Amaral, antropofagia, abaporu, Candido Portinari, negro. Lasar Segall, bananal).
Por ser uma atividade em grupo sugerimos que as releituras fossem feitas ampliadas para o tamanho de uma folha de papel madeira. Quadriculamos a imagem original e respeitadas as devidas proporções quadriculamos a folha maior e realizamos a transferência da imagem. Em seguida selecionamos as cores que seriam utilizadas na construção do trabalho. Utilizamos revistas velhas e papeis coloridos diversos. O resultado foram ampliações bastante expressivas de grandes obras do modernismo brasileiro todas feitas com colagens e outros recursos (giz de cera, nanquim, ghache). O objetivo foi aproximar esses artistas e essas obras de meus alunos, permitindo uma maior compreensão da arte moderna brasileira.
Em seguida, dando continuidade ao nosso planejamento realizamos a terceira atividade prevista, a pintura em tela com tinta acrílica. Decidimos pelo movimento surrealista por ele permitir uma maior utilização do desenho na construção da imagem além de exigir vasta imaginação por parte dos alunos. O surrealismo foi um movimento artístico surgido em 1924 que criava imagens que ultrapassavam a realidade e pareciam tiradas de sonhos. Apoiada nas teorias da psicanálise de Freud o surrealismo proporcionou o surgimento de grandes artistas a exemplo de Salvador Dali, Magritte e Miró. Nessa etapa apenas acompanhei a execução dos trabalhos limitando-me a fazer pequenas observações sobre o desenho e sobre a utilização dos materiais.

CONCLUSÃO
É preciso frisar que este projeto foi desenvolvido ao longo de todo o ano de 2010 com duas turmas do 9º ano do ensino fundamental, com um encontro regular por semana e diversos outros encontros nos horários de atendimento (turno oposto). O colégio de Aplicação da UFS possui laboratório de arte e outros recursos didáticos (data-show, TV, retroprojetor, dvd, biblioteca, computadores e internet) o que favorece a realização das atividades. Também temos acesso a materiais básicos para se desenvolver atividades de arte. Toda a produção em arte que desenvolvemos ao longo do ano (turmas do 6º, 7º, 8º e 9º ano) é exposta na “MOSTRARTE” Mostra de Arte do Colégio de Aplicação, evento que criamos no ano de 2006 e segue acontecendo sempre no mês de outubro. Uma grande exposição ocupa todo o colégio no mês de outubro. O objetivo é apresentar a produção dos alunos do ensino fundamental na disciplina Arte. A exposição é composta por desenhos, colagens, pinturas, modelagens, gravuras, objetos e apresenta diversas técnicas, estilos e materiais.
(imagens: http://wwwblogdouchoa.blogspot.com/2010/10/esquentando-os-tambores.html )



RECURSOS DIDÁTICOS:
• TEXTOS SOBRE ARTE MODERNA – (livros, revistas, internet)
• VIDEOS - Diversos vídeos baixados da internet sobre os principais artistas das vanguardas da arte européia: Claude Monet, Edvard Munch, Degas, Renoir, Seurat, Paul Gauguin, Cézanne, Picasso, Georges Braque, Lasar Segall, Van Gogh, Wassily Kandinsky, Antônio Bandeira, Piet Mondrian, Picabia, Salvador Dali, Joan Miró, Duchamp, Richard Hamilton, Lichtenstein, Andy Warhol.
• REPRODUÇÕES – (Ingres, Caravaggio, Delacroix, Cézanne, Van Gogh, Gauguin, Picasso, Giacomo Bala, Kandinsky, Marcel Duchamp, Salvador Dali, Giorgio de Chirico, Warhol, Toulouse Lautrec, entre outros.
• MATERIAIS DIVERSOS – Papel canson, papel madeira, papel ofício, lápis grafite, borracha, tinta nanquim, tinta guache, tinta acrílica, cola, revistas velhas, pincéis, fita crepe, telas para pintura de diversos tamanhos.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ADORNO, Theodor. Teoria Estética. São Paulo: Arte e Comunicação, 1961.
AMARAL, Aracy A. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira – 1930-1970: subsídios para uma história social da arte no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 2003.
ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
História da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil. São Paulo: perspectiva, 2002.

A imagem no ensino da arte. São Paulo: perspectiva, 1991.
BECKETT, Wendy. História da pintura. São Paulo: Ática, 1997.
BRITO, Mario da Silva. História do modernismo brasileiro. Antecedentes da Semana de Arte Moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
CAMPOFIORITO, Quirino. A Pintura Posterior à Missão Francesa 1835- 1870. In: História da Pintura Brasileira no Século XIX. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1983.
COLI, Jorge. O que é arte. São Paulo: Brasiliense, 2002.
COSTA, Cristina. Questões de arte: a natureza do belo, da percepção e do prazer estético. São Paulo: Moderna, 1999.
GOMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

JUNIOR, Francisco Duarte. Por Que Arte-Educação. 1996.
LAMBERT, Rosemary. A arte do século XX. São Paulo: Círculo do Livro, 1981.
MOREIRA, Marcos. A Vida dos Grandes Brasileiros - Cândido Portinari. São Paulo: Editora Três, Edições IstoÉ, 2001.
PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Ática, 2002.
PEVSNER, Nikolaus. Academias de Arte: passado e presente. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
TUNAY, Afonso de E. A Missão Artística Francesa de 1816. Inst. Nac. do Livro (1808-1980 ), Rio de Janeiro – RJ , 1983.
ZANINI, Walter. História da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walter M. Salles, 1983.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial